Dia Nacional do Samba: na Bahia, o dia também homenageia o compositor Ary Barroso

Foto: Reprodução

“Quem não gosta do samba, bom sujeito não é, é ruim da cabeça ou doente do pé”, o trecho da canção ‘Samba da Minha Terra’, de Dorival Caymmi, fala sobre um dos principais estilos musicais que levam o nome do país mundo afora, definindo o território brasileiro como: ‘Brasil, Terra do Samba’. Nesta segunda-feira (2), os amantes do ritmo, que teve origem no Rio de Janeiro, celebram o Dia Nacional do Samba.

A data foi aprovado como lei estadual do Estado da Guanabara (atual município do Rio de Janeiro), através da Lei n° 554, de 27 julho de 1964.

Na Bahia, o Dia Nacional do Samba foi instituído pela Câmara de Vereadores de Salvador, em 1940, como parte das homenagens ao compositor Ary Barroso, que um ano antes lançou a música ‘Aquarela do Brasil’, composição mais conhecida, executada e regravada fora do Brasil.

Anualmente, Salvador celebra a data com a Caminhada do Samba, realizada em praça pública, no Terreiro de Jesus, localizado no Pelourinho. Este ano, os festejos aconteceram ontem (1°).

Sendo valido ressaltar que, ao longo dos anos, distintas variações do samba se misturaram com as nuances de outras representações musicais, sendo destaque o  Samba Rock, o Samba enredo, o Samba pagode, o Samba carnavalesco e o Samba de gafieira.

No território baiano, um dos nomes mais aclamados é o do sambista Clementino Rodrigues, carinhosamente apelidado de Riachão, hoje com 98 anos.

A cantora, atriz, bailarina e compositora Mariene de Castro representa os sambistas baianos da geração.

Em todo o país, grandes nomes se destacam, como o de Alcione, que recebeu a alcunha de ‘Rainha do Samba’. Nascida em São Luís, no Maranhão, a cantora, de voz marcante, embala muitos corações com seu carisma singular. Entre seus principais sucessos está a canção ‘Meu Ébano’, composta por Paulinho Rezende e Neneo.

Martinho da Vila, Arlindo Cruz, Diogo Nogueira, entre outros, compõem a lista de sambistas brasileiros.

Legado

Neste ano o país perdeu dois grandes nomes da história do samba: Beth Carvalho, que faleceu aos 72 anos no dia 30 de abril e Elton Medeiros, que faleceu aos 89 anos no dia 3 de setembro.

Outros sambistas que também deixaram seu legado são: Cartola, Noel Rosa, Adoniran Barbosa.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*