A feira não pode ser um trampolim político, diz prefeito Elinaldo

Prefeito Elinaldo

O Centro Comercial de Camaçari amanheceu nesta segunda-feira(18) com os portões fechados. A medida obedece a ordem judicial que obriga a prefeitura a recolher tributos dos permissionários.

Em entrevista ao programa Bahia no Ar nesta manhã, o prefeito Elinaldo Araujo disse que é preciso também separar as questões políticas para que a feira volte a funcionar com regularidade. Além disto, o prefeito ressalta que muitos feirantes realmente não estão em condições de pagar os tributos devido a crise econômica que assola o país.

“Eu respeito a decisão judicial, mas acho que fechar, tomar, eu entendo que não é por aí. É preciso dialogar. A questão dos inadimplentes 50% pagam outros 50% não pagam, e deste 50%, muitos realmente não podem pagar”, disse.

Para o prefeito é necessário também “separar as coisas na feira. Sei que tem feirante que compactua com minha ideologia política, outros nem tanto, e outros são neutros, mas vamos separar a feira da política”, disse, ressaltando que precisa haver uma conscientização que O Centro Comercial de Camaçari não pode ser um trampolim político.

Elinaldo ressaltou que vai manter o diálogo com os permissionários inadimplentes, “pedir que a politicagem não entre nesse processo (…)essa guerra política é que deixou os feirantes nessa situação”, pontua.

Em resposta a Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público da Bahia, o juiz Cesar Augusto Borges de Andrade, determinou o fechamento do Centro Comercial de Camaçari, a partir de hoje.

Segundo o juiz, a decisão só será alterada caso o prefeito de Camaçari, Antonio Elinaldo, apresente a cobrança e o pagamento das referidas despesas de água e luz junto aos permissionários inadimplentes estabelecidos no local, referentes aos exercícios fiscais de 2017, 2018 e 2019.

2 Comentário

  1. Eu chamo isso de “força do vício ” os ex prefeitos , Caetano e Ademar deixaram correr solto a bagunça na feira, usaram os feirantes como cabos eleitorais, o discurso do “fique tranquilo que eu resolvo ” assim se constituiu a sociedade brasileira, sempre protelando a responsabilidade e dando vazão ao ilegal, ao fora da lei, virou vício!. Agora denota uma mudança no cenário nacional, na cultura equivocada do vamos levar vantagens, chegou a justiça nas mãos de um juiz sério e competente, promotor seríssimo. Resta aos feirantes regularizar suas vidas junto a prefeitura e concessionárias de água e luz. Aprendam que a mentira só dura enquanto a verdade não chega!.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*