Neste sábado (1°), o secretário de saúde de Salvador, Leo Prates, reafirmou seu apoio a Ciro Gomes (PDT), ao comentar sobre a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), em relação bloqueio de contas de bolsonaristas em redes sociais no exterior.

Segundo Leo, apesar de ser “oposição ao grupo de Bolsonaro”, a determinação de Moraes representa um “cerceamento da liberdade d[e] expressão”.

“Sou oposição ao grupo de Bolsonaro, meu Presidente e @cirogomes , mas como defensor da democracia , vejo c mta preocupação o cerceamento da liberdade d expressão , há leis para penalizar excessos , respeito o STF, mas n gosto do precedente”, escreveu Prates no Twitter.

Reprodução / Twitter

Eleições municipais

No dia 15 de julho, Prates havia anunciado, de maneira oficial, a sua desistência para disputar a eleição para prefeito de Salvador neste ano. A informação foi passada através de uma carta divulgada em seu site oficial.

No conteúdo da carta, Leo destacou que a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19) contribuiu para que ele decidisse em seguir à frente da Saúde na capital baiana.

“Frente a este momento entendi que os planos tinham mudado, o meu objetivo de cuidar das vidas do povo de Salvador ainda não viria pela disputa eleitoral, mas pela dedicação ao cargo que já ocupava na saúde do município”, pontuou ele à época.

Prates, que é deputado estadual licenciado, também chegou a admitir dificuldades para a sua candidatura.

“Tão logo, os obstáculos para a viabilização da minha candidatura foram aparecendo, o PDT lutou com todos os recursos para que o nosso projeto prosseguisse vivo, e quero deixar um agradecimento especial ao presidente nacional do meu partido, Carlos Lupi, um verdadeiro irmão de luta neste processo”, disse.

“Porém sinto que é coerente manter as vidas de milhões de soteropolitanos acima de anseios pessoais, entretanto tenho certeza que este sonho não acabou, foi apenas adiado”, completou.

Entretanto, mesmo após perder o prazo de desincompatibilização, o PDT insistiu na pré-candidatura de Prates, acionando o Tribunal Superior Eleitoral (TSE); a Corte não respondeu à consulta feita pelo presidente estadual da sigla.

Com isso, presentemente, o nome da ex-secretária municipal de Promoção Social, Ana Paula Matos, aparece como aposta principal da sigla para compor a chapa com o indicado do grupo do prefeito ACM Neto (DEM), o vice-prefeito Bruno Reis.

Decisão de Moraes

Na quinta-feira (31), por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do STF, o Twitter retirou do ar contas que apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, suspeitos de espalhar fake news (notícias falsas), tinham aberto fora do Brasil.

A iniciativa de alguns apoiadores bolsonaristas, em mudar as configurações de localização das contas para outros países, tinha sido uma tentativa do grupo de contornar a ordem de Moraes, expedida ao longo da semana passada.

Para Moraes, a exclusão das contas deve ocorrer independentemente de a postagem se dar no Brasil ou fora do país.

Na ocasião, por meio de uma nota oficial, o Twitter destacou que “bloqueou as contas para atender a uma ordem judicial proveniente de inquérito do Supremo Tribunal Federal. E que, embora não caiba ao Twitter defender a legalidade do conteúdo postado ou a conduta das pessoas impactadas pela ordem, a empresa considera a determinação desproporcional sob a ótica do regime de liberdade de expressão vigente no Brasil. E que, por isso, vai recorrer da decisão de bloqueio”.

0 0 voto
Article Rating