Após o presidente Jair Bolsonaro afirmar na quinta-feira (30), que confia na vacina contra o novo coronavírus (Covid-19) desenvolvida pela Universidade de Oxford, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), rebateu a fala do mandatário e garantiu que não irá politizar a busca por uma vacina contra a doença.

“Pessoalmente, não politizei o vírus e não vou politizar a vacina. E mais uma vez lamento profundamente ações de extremistas que utilizando as redes sociais difundem informações falsas, mentirosas, agressivas e temerosas à população do Brasil, dizendo que a vacina produz efeitos colaterais, que a vacina pode matar ou que a vacina não vai funcionar”, frisou Doria em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes (sede do governo estadual), na sexta-feira (31).

“Torço para que a vacina inglesa, a vacina de Oxford, também seja aprovada na sua terceira fase de testes e possa ser utilizada aqui no Brasil, assim como em outros países, para salvar vidas. Assim como a CoronaVac, a vacina produzida pelo Instituto Butantan juntamente com o laboratório chinês Sinovac”, completou o governador.

Entenda a questão das vacinas

Existe uma vacina da universidade britânica, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, que já está sendo testada no Brasil por meio de um estudo liderado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), inclusive, o governo federal assinou um protocolo de intenção para receber doses, com posterior produção nacional. No entanto, ainda não há um acordo formal chancelado pelo governo.

Em contrapartida, o governo de São Paulo, por meio do Instituto Butantan, está liderando outro estudo com a potencial vacina contra a Covid-19, desenvolvida pela chinesa Sinovac Biotech, num acordo que prevê envio de doses da vacina ao território brasileito e posterior transferência de tecnologia para produção local.

Fala de Bolsonaro

Durante sua “tradicional” transmissão semanal, realizada às quintas-feiras nas redes sociais, Jair Bolsonaro falou sobre a parceria do governo federal para obter a vacina de Oxford e, aparentemente, ironizou a candidata chinesa, cuja parceria acontece com o governo de SP.

“Pessoal, se fala muito da vacina da Covid-19. Nós entramos naquele consórcio lá de Oxford. Pelo que tudo indica, vai dar certo e 100 milhões de unidades chegarão para nós. Não é daquele outro país não, tá ok, pessoal? É da Oxford aí”, assegurou Bolsonaro.

Conflitos

João Doria e Jair Bolsonaro possuem diversos desafetos políticos e já chegaram a trocar farpas públicas durante uma reunião entre o presidente com governadores da Região Sudeste durante o início da pandemia no país.

Sendo valido ressaltar que, o chefe do Executivo paulista é um potencial adversário de Bolsonaro nas eleições presidenciais programadas para 2022.

0 0 voto
Article Rating