Mesmo com a desclassificação na Copa do Mundo da Rússia, nas quartas de final, perdendo da Bélgica por 2 a 1. Tudo caminha para que Tite continue como técnico da seleção brasileira. A derrota para a Bélgica e a consequente eliminação nas quartas de final da Copa do Mundo não mudaram os planos da CBF de manter o treinador no comando.

A maior parte da comissão técnica da Seleção – que foi indicada por Tite – também quer permanecer. A decisão do treinador não está tomada. Ele não quis falar sobre isso nem antes e nem durante a Copa. Mas este é um fator que pesa.

“Toda vez que um técnico consegue desenvolver o trabalho com um tempo maior, ele consegue desenvolver melhor. Não só em seleção, no clube também. Quando mais tempo com o atleta, mexe mais com o técnico, o emocional. Entre o ideal e o real… A minha realidade foi assumir no meio do caminho e o fiz de coração aberto. Primeiro jogo oficial que a gente perde.

Nenhuma decisão será tomada na Rússia. A ideia em comum entre as partes envolvidas é voltar ao Brasil, esperar a poeira baixar e decidir os próximos passos com calma no Rio de Janeiro.

Os números gerais de Tite no comando da Seleção são positivos: 26 jogos, 20 vitórias, quatro empates e duas derrotas – marcou 55 gols e sofreu oito. O trabalho nem de longe é avaliado como um fracasso. Tite assumiu a seleção brasileira em sexto lugar nas Eliminatórias Sul-Americanas, portanto fora da zona de classificação para o Mundial da Rússia, e terminou em primeiro lugar.

A possibilidade de poder trabalhar durante todo um ciclo de Copa do Mundo – quatro anos – também é visto como um atrativo pela comissão técnica, que quer ter a oportunidade de ter contato com mais jogadores e construir formas diferentes de jogar.

0 0 voto
Article Rating