Coordenador da Defesa Civil de Camaçari fala sobre o trabalho de remoção e chegada de novas manchas

Manchas encontradas ontem (16) na praia de Jauá, em Camaçari. (Foto: Reprodução / Defesa Civil de Camaçari)

O Bahia No Ar conversou na manhã desta quinta-feira (17) com o coordenador da Defesa Civil, Ivanaldo Soares, que relatou sobre o andamento no processo de retirada e chegada de novas manchas de óleo na Costa de Camaçari.

Segundo Ivanaldo, ontem (16), foram removidas da praia de Jauá cerca de três toneladas da substância. Entretanto, durante a manhã de hoje (17), ele recebeu informações atualizadas de que novas manchas voltaram a aparecer na região. A Praia da Espera, em Itacimirim, também foi contaminada por recentes manchas nesta manhã.

Manchas encontradas ontem (16) na praia de Jauá, em Camaçari. (Foto: Reprodução / Defesa Civil de Camaçari)

Ivanaldo falou ainda que mais de 40 pessoas estão envolvidas no trabalho de retirada das manchas, sendo 15 agentes da Defesa Civil.

No último sábado (12) e no domingo (13), foram recolhidas mais três toneladas da Praia da Barra, na região do Rio Pojuca. Ivanaldo pontuou que as manchas estão chegando com a maré alta. O trabalho de remoção na localidade continua, porém, por conta da equipe concentrada em Jauá, ontem só foi possível recolher cerca de 300 à 400 quilos de petróleo cru.

Até o momento, 80% do litoral camaçariense já foi contaminado. As substâncias recolhidas serão levadas, ainda hoje, para a Cetrel e lá permanecerão, por até 120 dias.

O processo

Ivanaldo explicou que “as manchas chegam de surpresa, a gente não tem como dimensionar aonde e quando vão chegar”, disse.

Ele ressalta que a equipe da Defesa Civil, “está toda preparada e instruída para que quando cheguem [as manchas] a gente faça a limpeza. Tem que ser rápido, temos poucas horas de trabalho por conta da maré. Às 11h ela está totalmente seca, mas começa a encher por volta das 14h”.

Quanto a limpeza, deve ser feita “do horizonte da praia, de onde ela [maré] esvaziou para cima. É um trabalho muito escaldante”, completa.

Em relação aos voluntários, Ivanaldo também destacou que os grupos que estão se mobilizando para ajudar precisam informar a Defesa Civil para que sejam instruídos sobre a maneira correta e segura de realizar todo o procedimento de remoção da substância.

Ele chama atenção ainda para o descarte das manchas de óleo quando encontradas por banhistas, por exemplo. “Não deposite [a substância] no lixo ordinário, [quando encontrarem as manchas] liguem para o 199, jamais enterrem essa substância”, alerta.

O banho de mar nas praias contaminadas também deve ser evitado.

Por fim, Ivanaldo revelou que está marcada para a tarde desta quinta-feira uma reunião com alguns agentes da empresa Naturalle, que ajuda no trabalho. Eles já tiveram contato durante a manhã com representantes do Projeto Tamar para tratar sobre a questão dos filhotes de tartaruga.

A reunião também irá tentar resolver o problema da falta de uma máquina para auxiliar no trabalho de remoção das manchas.

Ivanaldo termina afirmando que “as coisas estão andando. Não é um problema de Camaçari, não é nosso. Nós  estamos apenas ajudando”, finaliza.

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*