Em um dia Camaçari registrou índice de chuva esperado para metade do mês

Foto: Reprodução

Na manhã desta quinta-feira (23), o Bahia No Ar conversou com o coordenador da Defesa Civil de Camaçari, Ivanaldo Soares para falar sobre a situação das chuvas no município. Segundo ele, a situação é tranquila por conta de um trabalho preventivo que estava sendo realizado pela Prefeitura de Camaçari.

“Estamos tranquilos. A prefeitura tem feito um trabalho preventivo importante, desde de limpezas de córregos, até limpezas de bocas de lobos, isso facilitou o escoamento da água. Nós tivemos aí, ontem, 30 milímetros de chuva, isso corresponde a metade de um mês, 15 dias chovendo. Mas, ela [chuva] teve escoamento de uma forma tranquila”, descreveu Ivanaldo.

Questionado sobre a existência de ocorrências, ele informou que até o momento foram quatro; todas registradas durante a quarta-feira (22).”Nós tivemos ontem quatro ocorrências. Uma ocorrência foi na Rua Central Urbana, ali em frente ao Teatro Alberto Martins, parte de uma árvore caiu na pista. Outra ocorrência foi no Colégio Monteiro Lobato, agora a gente vai realizar a retirada da árvore que caiu sobre o telhado da escola. Uma casa ameaçada, a marquise está para cair, a gente já está indo fazer o isolamento dessa área. E um poste que caiu na Praça da Noite [Gleba A], esse poste é um poste que ilumina a praça, mas a gente já autuou já ligamos, já informamos os responsáveis que é a Inlux, e aí a Sesp [Secretaria de Serviços Públicos] já mandou que fossem lá retirar o poste”, explicou.

Ivanaldo salientou também que a equipe está atenta e foi montando, inclusive, um plantão especial. “A gente está atento. Estamos com um plantão especial, foi a noite inteira. E hoje já estamos com um plantão com 12 pessoas. Acabei de falar com o prefeito [Elinaldo] e ele está com uma preocupação muito grande”, acrescentou.

As chuvas são previstas até amanhã (24). Para hoje, conforme destacou Ivanaldo, são esperados mais 30 mm de chuva.

Medidas básicas de segurança

O coordenador da Defesa Civil de Camaçari alertou ainda para algumas medidas básicas de segurança que devem ser tomadas pela população. “São ciclones tropicais que podem vir até com rajadas de vento de 20 km ou mais, e aí se torna uma tempestade. Pedimos que as pessoas não estacionem os carros embaixo de árvores, que as pessoas observem fios de alta tensão, não andem embaixo de fiações elétricas na chuva, nos trovões, nos raios. Celular na mão, que as pessoas evitem de sair com celular e também as pessoas evitarem de andar em ruas que alagam, porque aí você pode pisar em uma boca de lobo e aí você pode simplesmente desaparecer”, enumerou.

Ivanaldo chama atenção também para o cuidado com as crianças. “As crianças que ficam brincando em ruas alagadas e essas águas são contaminadas com leptospirose [doença infecciosa transmitida ao homem pela urina de roedores]. É importante que as mães e os pais de família tenham esse cuidado”.

Trotes

Outro ponto abordado por Soares está ligado a questão dos trotes, situação que acaba prejudicando o trabalho prestado pela equipe, tendo em vista que uma ocorrência verdadeira pode não ser atendida com agilidade em decorrência de “brincadeiras” desse tipo.

“O que a gente mais sofre, por incrível que pareça, é com os trotes. Camaçari ainda vive com essa cultura errônea de passar trotes, principalmente crianças. As mães e os pais observem suas crianças porque a maioria das crianças hoje tem celular. Para você ter uma ideia, tem dia que o turno da noite não descansa, é a noite inteira a mesma criança passando trote, vários trotes. Quando você está perdendo seu tempo atendendo um trote você pode deixar de atender uma ocorrência de verdade”, salienta.

Entretanto, não são apenas crianças que realizam esse tipo de ação. Ivanaldo contou ao BNA que ontem, em meio a preocupação das chuvas, a Defesa Civil precisou ser ágil e detectar o trote.

“Ontem a gente recebeu a ligação de um senhor que deu o número errado dizendo que em Jauá estava uma fumaça muito grande. Imagine se a gente não tem experiência sabendo que ali estava chovendo e deslocasse uma equipe até Jauá?!”, pondera. “A gente usa certas técnicas para saber se é trote, mas as pessoas tem que entender que o 199 é um telefone para ser usado em emergências, a gente salva vidas”, finaliza.

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*