“Estamos aqui na esperança de que a Justiça seja feita”, diz sobrevivente de explosão da Pague Menos

Explosão seguida de incêndio e desabamento do teto da farmácia aconteceu no dia 23 de novembro de 2016. Tragédia deixou 10 mortos e nove feridos.

Sobreviventes de explosão de farmácia no fórum onde ocorre audiência dos réus. Foto Dani Oliveira/Bahia No Ar

Quatro dos nove sobreviventes da explosão da fármacia Pague Menos, que ocorreu em novembro de 2016, em Camaçari, foram até o Fórum Clemente Mariani na manhã desta terça-feira, 10, para acompanhar o desenrolar do caso, já que a audiência dos oito réus do processo criminal está acontecendo hoje.

Em entrevista para o Bahia No Ar, os ex-funcionários da farmácia Cristiane Matos, Fabiana Silva, Ednaldo Rodrigues e Aleane Ribeiro, contaram como estão suas vidas quase três anos após a explosão e enfatizaram que continuam em busca de Justiça.

” A gente não esqueceu e a gente não vai esquecer. A nossa vida não seguiu, nossa vida parou. É muito dificil saber que vidas foram perdidas, que amigos foram prejudicados e que tudo isso poderia ter sido evitado. Estamos aqui na esperança de que a Justiça seja feita”,  disse a ex-auxiliar de farmácia Fabiana Silva que teve sequelas graves no pulmão e continua fazendo tratamento médico e psicológico.

Cristiane Matos que teve queimaduras de 2º e 3º grau, contou para o BNA que sua situação financeira no momento é muito difícil, pois a sequelas físicas e respiratórias a impedem de trabalhar e o benefício do INSS que estava recebendo foi cortado. A ex-operadora de caixa teve que receber enxertos de pele e também faz tratamento psicológico e psiquiátrico.

Ex-operadora de caixa teve queimaduras de 2º e 3º grau. Foto: Dani Oliveira/Bahia No Ar

Também vítima do acidente, Aleane Ribeiro relatou que foi demitida por justa causa, após seus advogados pedirem que ela fosse afastada de suas funções na farmácia, por questões psicológicas.

Explosão

A explosão da farmácia Pague Menos aconteceu no dia 23 de novembro de 2016, deixando um saldo de 10 mortos entre funcionários e clientes e nove feridos. Na ocasião, funcionários da Chianca faziam reformas no telhado da farmácia e outros da empresa AR Empreendimentos, trabalhavam na manutenção do sistema de gás e ar-condicionado do estabelecimento. Os peritos concluíram que, primeiro, houve uma explosão provocada por um vazamento de gás, seguida de um incêndio e, depois, do desabamento do telhado.

Bombeiros, policiais militares e socorristas após a explosão da farmácia.

 

Réus

Os indiciados no processo criminal são: Josué Ubiranilson Alves, diretor da empresa Pague Menos; Augusto Alves Pereira, gerente regional da Pague Menos; Maria Rita Santos Sampaio, gerente da farmácia incendiada; Erick Bezerra Chianca, sócio da empresa de manutenção Chianca; Rafael Fabrício Nascimento de Almeida, sócio da empresa de manutenção AR Empreendimentos; e Luciano Santos Silva, técnico em refrigeração pela AR Empreendimentos.

 

 

 

 

 

 

 

 

5 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*