Furto de combustível causa explosão e mata cerca de 66 pessoas

Ao chegar ao quilômetro 226, nas redondezas da cidade de Tlahueplilpan, os militares se depararam com centenas de pessoas recolhendo parte do combustível que vazava do duto

As autoridades mexicanas confirmaram que já chega a 66 o número de pessoas mortas na explosão de um oleoduto da empresa estatal Petróleos Mexicanos (Pemex) na cidade de Tlahueplilpan, no estado de Hidalgo. Setenta e seis pessoas ficaram feridas, a maioria com queimaduras.

Entre os feridos, já transferidos para diversos hospitais de Hidalgo e de outros estados, há sete adolescentes e um garoto de 12 anos.

Segundo o governador de Hidalgo, Omar Fayad, o incêndio e a explosão no duto Tuxpan-Tula foram causados pela extração clandestina de combustível. “Desgraçadamente, muitas pessoas perderam a vida e várias estão, neste exato momento, se debatendo entre a vida e a morte”, disse Fayad em entrevista coletiva da qual também participaram o presidente do México, Lopez Obrador, e outras autoridades.

Ainda de acordo com Fayad, militares foram acionados pela estatal petrolífera por volta das 17h (horário local) desta sexta-feira (18), após a constatação de variação da pressão no duto indicar algum vazamento. Ao chegar ao quilômetro 226, nas redondezas da cidade de Tlahueplilpan, os militares se depararam com centenas de pessoas recolhendo parte do combustível que vazava do duto.

“Os militares tentaram persuadir os cidadãos a deixar o local, alertando-os sobre os riscos. Fala-se em centenas de pessoas. Infelizmente, a maioria não deu ouvidos aos militares. Por volta das 18h50, fomos informados de que havia acontecido uma explosão e que as chamas estavam consumindo tudo o que havia ao redor; que havia mortos e pessoas queimadas”, contou o governador.

Classificando o episódio como “trágico”, Fayad disse que, dos 76 feridos, 73 são homens e três mulheres. Além disso, grupos de resgate continuam vasculhando o local. A área foi isolada e um centro de atendimento às vítimas foi montado.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*