Greve da PM: comandante diz que Prisco ‘levanta bandeira política’ e ‘fica amedrontando as pessoas’

O comandante garantiu que a sociedade pode permanecer tranquila.

Foto: Divulgação

Com o anúncio de uma possível greve dos policiais militares da Bahia nesta terça-feira (8), o comandante geral da Polícia Militar do Estado, coronel Anselmo Brandão, veio à público afirmar que o fato não procede e que o policiamento acontece normalmente.

Em entrevista à Rádio Metrópole nesta tarde, o comandante garantiu que a sociedade pode permanecer tranquila. “A sociedade da Bahia não merece isso”, disse.

Ainda na entrevista, coronel Anselmo Brandão aproveitou para criticar a postura do representante da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares (Aspra), Soldado Prisco durante a assembleia que aconteceu hoje em Salvador. “Infelizmente, esse deputado já vem tentando tumultuar o processo, buscando a bandeira política e isso é que tem levado a esse momento. Ele tem tentado reunir tropa e não está conseguindo. Colocou hoje 300 pessoas dentro da Adelba e dentro desse espaço ele decretou a greve, sem a aprovação da grande maioria. A tropa hoje não recepciona mais esse tipo de comportamento. Eu me pergunto, o que leva uma pessoa decretar uma greve com demandas como essa. Mais uma vez ele quer desqualificar o trabalho dos meus soldados”.

Sobre as reivindicações anunciadas na reunião de hoje, e que o Soldado Prisco espera dialogar com o Governo do Estado, o comandante destacou o esforço da PM junto ao governador Rui Costa (PT) em busca de melhorias para a categoria. “A PM temos um canal constante com o Planserv e tem nos atendido. Ele fala de reajuste, mas nós fomos a primeira categoria que teve realinhamento no início do governo. O governo do Estado está fazendo conforme a demanda de cada uma. Nós conseguimos o auxílio transporte. Trocamos todas as viaturas, fizemos 18 mil promoções em quatro anos”.

Outro assunto abordado foi um possível diálogo entre o Soldado Prisco e o Governo do Estado para discutir as reivindicações. “Da forma como ele faz as coisas, não tem como dialogar com esse rapaz. Ele toma umas posturas que ficam difíceis pra gente ter qualquer tipo de conversa. Ele fica amedrontando as pessoas. Isso é um desrespeito”.

Ele aproveitou ainda para ressaltar a importância do papel da Polícia Militar para garantir a segurança pública. “Eu sou o canal, a liderança é nossa, junto com o secretário de Segurança, Maurício Barbosa. Podem confiar em nós. Não estamos parados”, concluiu o comandante da PM.

12 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*