Uma mulher foi presa após ordenar e assistir o estupro de sua enteada, uma menina de apenas 9 anos. O caso bárbaro aconteceu no estado da Caxemira, na Índia.

Segundo informações da BBC, no total foram presas seis pessoas por relação com o estupro coletivo e assassinato da criança. A madrasta teria ordenado os crimes por vingança.

De acordo com a polícia, a mulher teria mandado o filho de 14 anos e outros três homens estuprarem a vítima. Ela assistiu ao ato. A menina também foi torturada, mutilada e queimada com ácido. O corpo foi encontrado no domingo, 02, em uma floresta no distrito de Baramulla. Ela estava desaparecida havia 10 dias.

Ainda conforme a publicação, a polícia informou que  a mandante do crime estaria supostamente chateada porque a menina era a favorita do pai.

“Descobrimos que a madrasta nutria rancor contra a segunda esposa do marido e os filhos que ele teve nesse casamento”, disse o policial Mir Imtiyaz Hussain ao site de notícias NDTV.

Hussain afirmou que a garota foi morta com um machado depois do estupro coletivo. O policial relatou que um dos acusados, de 19 anos, “arrancou os olhos dela com uma faca afiada e derramou ácido em seu corpo”.

Estupros na Índia

Estatísticas oficiais sobre crimes na Índia, divulgadas no final de julho deste ano, mostram que o número de estupros registrados contra crianças mais do que dobrou, passando de 8.541 em 2012 para 19.765 em 2016.

Segundo Soutik Biswas, correspondente da BBC, mais de 40% das vítimas femininas no país são menores.

Pena de morte

Um projeto aprovado no final de julho deste ano na Câmara dos Deputados indiana prevê pena de morte para qualquer pessoa condenada por estuprar uma criança menor de 12 anos, mesmo que a vítima sobreviva.

Hoje, esse tipo de punição pode ser aplicado independentemente da idade da vítima, em casos que resultem em morte.

O novo projeto foi aprovado após uma série de casos de grande repercussão contra crianças, incluindo o estupro e assassinato de uma menina de oito anos também na Caxemira, e o estupro mais recente de uma jovem no estado indiano de Madhya Pradesh.

0 0 voto
Article Rating