OMS corrige para ‘elevado’ a avaliação de risco internacional do coronavírus

Foto: Reprodução

Nesta segunda-feira,27, a Organização Mundial da Saúde (OMS) voltou atrás e passou a classificar como “elevado” o risco internacional de contaminação pelo novo tipo do coronavírus. O ‘status’ é uma correção na avaliação feita anteriormente OMS. Segundo a organização ocorreu  um “erro de formulação” na denominação de ‘risco moderado’.

“Foi um erro de formulação nos relatórios de 23, 24 e 25 de janeiro, e nós o corrigimos”, salientou à AFP uma porta-voz da instituição.

Até o início da tarde de hoje, os dados apontavam 81 óbitos pela doença e mais de 2,7 mil pacientes infectados.

No relatório, a OMS destaca que sua “avaliação de risco (…) não mudou desde a última atualização [realizada em 22 de janeiro]: muito alto na China, alto no nível regional e em todo o mundo”.

A OMS só utiliza o termo para epidemias que exigem uma espécie de reação global, a exemplo da gripe suína H1N1 (em 2009), o vírus zika (em 2016) e a febre ebola, que atingiu parte da África Ocidental entre 2014 e 2016 e a República Democrática do Congo desde 2018.

Com o surto de SARS (2002-2003), a OMS criticou Pequim por ter demorado a alertar e tentar esconder a verdadeira extensão da epidemia.

A OMS também foi criticada nos últimos anos. Considerada alarmista por alguns durante a epidemia do vírus H1N1 em 2009, foi acusada, durante a epidemia de ebola na África Ocidental (2014), de não ter calibrado a verdadeira extensão da crise.

Coronavírus

Os primeiros casos da doença foram notificados em dezembro do ano passado, na Ásia, na Europa, nos Estados Unidos (EUA) e na Austrália.

O coronavírus, também chamado de 2019-nCoV, provoca febre, tosse, falta de ar e dificuldade para respirar. O vírus é um tipo de pneumonia cuja transmissão acontece de pessoa para pessoa.

Segundo especialistas, esse tipo de vírus parece pertencer a uma nova cepa que não havia sido previamente identificada em humanos, sendo valido ressaltar que o coronavírus corresponde a uma ampla família de vírus, mas poucos deles são capazes de infectar pessoas.

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*