Operação Lava Jato: ‘Inocentes foram perseguidos’, diz presidente da Petrobras sobre funcionários investigados

Foto: Divulgação

Até o fim de 2019 a Petrobras pretende enviar cartas com pedidos de desculpas a cerca de dois mil funcionários da empresa que acabaram sendo incluídos nas investigações pela Operação Lava Jato e até o momento não tinham sido comunicados sobre o desfecho dos processos.

Segundo informou o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, “inocentes foram perseguidos” durante o processo de apuração e agora cabe à companhia se desculpar.

O presidente da Petrobras também questionou o prejuízo estimado em R$ 6 bilhões por corrupção e desvios, admitido pela estatal. Castello Branco ainda pontuou que acredita que o impacto financeiro seja ainda maior ao contabilizar empreendimentos não concluídos ou que não dão retorno, a exemplo do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e da Refinaria de Abreu e Lima, situada em Pernambuco.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*