Perigo: estudantes se arriscam ao ficar em linha férrea no centro de Camaçari

O superintendente disse que STT está tomando medidas para estabelecer os horários de passagem dos trens com a finalidade de oferecer segurança e conforto para os pedestres.

Durante participação por mensagem no programa Bahia No Ar, apresentado pelo radialista Roque Santos, o empresário e ex-secretário Djalma Machado, fez um alerta em relação a quantidade de estudantes que fica diariamente na linha férrea que corta o município.

O local citada pelo ex-secretário, é a Avenida Eixo Urbano Central, onde estão situadas duas escolas e o Teatro Alberto Martins. No comentário, o empresário falou dos riscos que os adolescentes e jovens correm, tendo em vista, que a linha é ativa e os trens que transportam cargas podem passar a qualquer momento.

O superintendente de Trânsito e Transporte de Camaçari, Coronel Castro concedeu entrevista no BNA e falou sobre a situação. O superintendente confirmou o problema, visto que, muita gente transita pelo local e disse que o governo está tomando medidas para estabelecer os horários de passagem dos trens pelo centro, com a finalidade de oferecer segurança e conforto para os pedestres.

6 Comentário

    • Se fizer a substituição do trem pelo metrô não vai adiantar muita coisa, além do elevado custo de reconstrução da linha férrea, teria que fazer um processo de elevação nas áreas em que faz revezamento com o tráfego de veículos e um processo de isolamento das linhas férreas, visto a imensa carga elétrica que seria necessária para o funcionamento dos metrôs.
      Camaçari não é uma cidade grande o suficiente (urbanísticamente falando) para necessitar de um metrô.

  1. Desde que Camaçari existe que sentam pessoas nessa linha. O problema é só se a pessoa for surda pois o trem quando passa faz tanto barulho que até quem mora longe do centro escuta.

  2. Há 14 anos atras fiquei muito nessa linha férrea depois das aulas e nunca me aconteceu nada ou sequer noticias de que algum aluno sofreu acidente por ali, no minimo especulativo essa matéria.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*