Polícia Ambiental resgata pássaros silvestres no galpão em Itapuã

Além dos 21 conduzidos, os PMs apreenderam 89 pássaros

Guarnições da Companhia de Polícia de Proteção Ambiental (Coopa) impediram, na manhã de domingo (10), a realização de um torneio irregular com pássaros silvestres, no bairro de Itapuã.

Cerca de vinte uma pessoas encontradas no local foram conduzidas, no domingo (10), para a Central de Flagrantes, localizada na região do Shopping da Bahia.

O crime foi descoberto durante a Operação Ave Livre que apura denúncias de comércio irregular de aves e também outros tipos de crimes relacionados. O evento aconteceria no espaço denominado ‘Velozes e Furiosos’, no Alto do Coqueirinho.

Além dos 21 conduzidos, os PMs apreenderam 89 pássaros e R$ 2,2 mil que era oferecido como premiação para o animal que vencesse a ‘briga’.

Fonte: SSP-BA

5 Comentário

  1. Boa tarde Gleise,

    Apesar da situação irregular desses criadores afirmo que neste local não tinha nenhum tipo de briga de pássaros e sim competição de canto livre gostaria de solicita a edição dessa informação que vem ao final de seu testo “briga” e sugerir a informação “competição de cantos livres”.

  2. Bom dia!
    Canto livre não seria uma condição desses pássaros soltos na natureza de onde vieram?
    Será que as pessoas que defendem essa prática, gostariam de estar no lugar desses pássaros?
    Pq não experimentam abrir as portas das gaiolas e decidir se os pássaros vão ou não verdadeiramente entoar seus cantos de forma livre?
    Como iriam se sentir esses donos, se soubessem que vai ficar engaiolados, mas terão direito a comida e a cantar “livremente” como eles dizem?
    Que se abram as portas das gaiolas, deem liberdade aos pássaros, e que seus donos assumam os seus lugares, afinal de contas, nada mais justo, pois que crime cometeram esses pássaros para estarem condenados ao encarceramento? Cárcere não seria o lugar ideal para quem comete esse crime contra a natureza?
    Prisão sem dó para os tais!

  3. Bom dia!
    Canto livre não seria uma condição desses pássaros soltos na natureza de onde vieram?
    Será que as pessoas que defendem essa prática, gostariam de estar no lugar desses pássaros?
    Pq não experimentam abrir as portas das gaiolas e decidir se os pássaros vão ou não verdadeiramente entoar seus cantos de forma livre?
    Como iriam se sentir esses donos, se soubessem que vai ficar engaiolados, mas terão direito a comida e a cantar “livremente” como eles dizem?
    Que se abram as portas das gaiolas, deem liberdade aos pássaros, e que seus donos assumam os seus lugares, afinal de contas, nada mais justo, pois que crime cometeram esses pássaros para estarem condenados ao encarceramento? Cárcere não seria o lugar ideal para quem comete esse crime contra a natureza?
    Prisão sem dó para os tais!

    • Experimente abria as portas para que os cachorros, gatos, vacas, cavalos dentre outros animais domesticados vivam livres…
      NÃO SAIR EM DEFESA DE NADA MARCOS, MAS SIM QUIS ATRIBUIR UMA INFORMAÇÃO AO TEXTO DA EDITORA QUE SERIA O CORRETO.
      E para informação dos críticos que rebateram minha colocação existi uma criação legalizada de pássaros silvestres autorizada pelo IBAMA órgão regulado da pratica onde eu sou um desses criadores e não retiro as aves da natureza, pois tiro reprodução em cativeiro da mesma forma que criadores de outros animais domestico fazem.
      E PARA FICAR BEM CLARO VOLTO A REPETIR QUE NESTE CASO SÃO “CRIADORES IRREGULARES” E DEVEM PAGA POR SEUS CRIMES.
      O SER HUMANO É MUITO HIPÓCRITA QUE BASTA TER UM PONTO DE VISTA EM RALAÇÃO A CONDIÇÃO DE OUTRO SER QUE LOGO ESQUECE DO SEU PRÓPRIO NARIZ.
      Não vou muito longe basta você lembra que o leitinho que esta na caixinha na sua mesa de café da manhã veio de um vaquinha coitada que vive em cárcere privado tirando leite da coita duas vezes por dia.
      Antes de dispara o seu ódio procura conhecer as pessoas serias que tem os pássaros como membros da família e que fazem isso de forma legal, da mesma forma que pessoas que criam cachorros e gatos dentre outros.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*