Rodrigo Maia se desentende com líder do governo e diz ter rompido relação pessoal

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tomou a palavra ao final da reunião entre líderes partidários nesta terça-feira, 21, e disse ter rompido relações pessoais com o líder do governo na Casa, Major Vitor Hugo (PSL-GO). Ele afirmou que se sentiu atacado com mensagens que Vitor Hugo compartilhou no WhatsApp que relacionavam a articulação política a negociações espúrias.

Maia afirmou que não irá pedir a demissão de Vitor Hugo ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), mas que só irá se dirigir ao líder do governo em situações institucionais. As mensagens que irritaram o presidente da Câmara foram compartilhadas em vários grupos formados por deputados há quase um mês atrás.

Vitor Hugo tentou se explicar diante dos presentes. O líder do governo afirmou que as mensagens foram tiradas de contexto e que respeitava o papel exercido pelo presidente da Câmara, mas Maia decidiu encerrar a reunião enquanto Vitor Hugo falava. Segundo um dos líderes partidários, as explicações do líder governista “não colaram” para nenhum dos presentes.

9 Comentário

  1. ENTRE BOLSONARO E O CENTRÃO, QUEM VC ESCOLHE?

    Não concordo com algumas das políticas de Bolsonaro, mas comparecer às manifestações do dia 26 de maio significa escolher entre Bolsonaro e o Centrão. O que o Centrão fez pelo povo brasileiro? Prejudicou. E o que Bolsonaro fez em alguns meses? Reduziu o número de Ministérios, reduziu o número de homicídios e implementou projetos para aumentar o combate à corrupção, como o projeto anticrime de Moro. Quem você escolhe?
    Bolsonaro? Vá à manifestação do dia 26 de maio!
    Centrão? Fique em casa!

    • Não vou nessa manifestação fascista que atenta contra o estado democrático de direito. Não importa se na câmara tem deputados que não merecem a confiança, mas lembro que eles foram eleitos de forma democrática e pelo voto popular. O executivo não pode impor sua vontade porque quem foi eleito para fazer a lei e votar projetos para o país é o congresso. Bolsonaro tem que negociar cada ponto das reformas sem impor nada e sim ajustar com o congresso. Pra mim essa manifestação é inadequada e é apenas por inveja da manifestação dos estudantes. Prevejo que vai ser um fracasso, diante de vários expoentes da extrema-direita já se manifestaram contra, a exemplo de Janaina Paschoal, o MBL, Lobão, Danilo Gentili e o próprio partido do presidente o PSL.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*