Secretário de Administração lamenta anúncio de nova paralisação dos servidores públicos de Camaçari

“A paralisação não é o melhor nem para o servidor, nem para a população, que precisa de serviços rápidos e excelentes e não está encontrando serviço nenhum”, diz o secretário

Reginaldo Paiva
o Secretário Reginaldo Paiva também está cedido pelo Estado para a Prefeitura Municipal de Camaçari.

Os serviços públicos do município de Camaçari estão à beira de um colapso. Uma semana depois dos professores da rede municipal de ensino abandonarem seus postos de trabalho em protesto contra o atraso na concessão de reajuste salarial, todos os demais servidores públicos efetivos decidiram iniciar um esquema de suspensão intermitente dos trabalhos ofertados para a população. Após a paralisação de 24 horas realizada na última terça-feira (08), o Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Camaçari (Sindsec) anunciou nova pausa temporária, de mesma duração, para esta quinta (10).

Em conversa com o portal Bahia No Ar, o secretário de Administração de Camaçari, Reginaldo Paiva, lamentou a decisão tomada pelos servidores. “Formamos uma mesa de negociação há dois meses, com representantes do Sindsec e das secretarias de Administração, de Governo e da Fazenda. Da nossa parte, o diálogo não foi encerrado. Estamos disposto a continuar na busca por soluções alternativas, já que a situação financeira do município nos impossibilita de conceder aumento este ano”, diz.

Sobre o anúncio de paralisações programadas, o secretário avalia como uma decisão precipitada e que vai prejudicar a população camaçariense. “O diálogo vinha sendo afável, respeitoso, mas infelizmente decidiram pela paralisação, o que não é melhor nem para o servidor, nem para a população, que precisa de serviços rápidos e excelentes e não está encontrando serviço nenhum”, acrescenta. “É mais prudente continuarmos a discussão. Caso a insatisfação persista diante as justificativas e propostas apresentadas por nós, dentro da lei de responsabilidade fiscal, voltaremos e rediscutiremos”, sugere.

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*