Senador propõe que quem mentir no currículo deve ser preso e multado

Currículos de pessoas públicas no Brasil têm gerado desconfiança nos últimos meses. O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, por exemplo, informou que tinha feito parte de seu curso de doutorado na universidade americana de Harvard — ele ainda está cursando Universidade Federal Fluminense (UFF) e não saiu do Brasil para estudar —, e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que era mestre em direito público pela Universidade de Yale, onde não esteve como aluno.

Para evitar que situações como essa continuem a acontecer não só no mercado de trabalho, mas também na esfera pública, o senador Jorge Kajuru (PSB/GO) propôs, em um Projeto de Lei, que quem mentir no currículo deverá ser penalizado com multa e reclusão de dois a seis anos. Para servidores públicos, a pena deve ser aumentada em um sexto.

“Esse projeto de lei visa tipificar e criminalizar os agentes que se beneficiam de falsos títulos acadêmicos, sejam eles mostrados, falados ou insinuados, de forma a induzir ao erro a população”, escreveu ele no documento.

42 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*