Sobrevivente de tragédia de Mar-Grande estava em incidente de sexta (06/10)

A embarcação teve um princípio de incêndio pela manhã desta sexta (06/10), na mesma travessia que se transformou em tragédia há pouco mais de um mês.

Foto: Juliana Almirante/G1

Sobrevivente do naufrágio da lancha Cavalo Marinho I, em Mar Grande, quando quase 20 pessoas morreram, o sonoplasta Edvaldo de Almeida passou por outro momento de terror nesta sexta-feira (06/10), ao notar que a lancha Costa do Sol 2 pegava fogo.

A embarcação teve um princípio de incêndio pela manhã, na mesma travessia que se transformou em tragédia há pouco mais de um mês. “Eu já estava abalado com a situação [do naufrágio], porque ainda não me recuperei, e agora, com mais essa, é procurar um psicólogo mesmo”, disse ao G1, logo após desembarcar no terminal do Comércio, em Salvador.

A embarcação que pegou fogo nesta sexta pertence à mesma empresa que era dona do barco que naufragou. Os passageiros perceberam que o motor pegava fogo por volta das 6h45, 15 minutos depois de deixarem o terminal de Vera Cruz, e começaram a colocar coletes salva-vidas por precaução. A tripulação controlou o fogo com extintores e a lancha seguiu viagem com apenas um motor. Após o incidente, o Ministério Público do Estado (MP-BA) informou que pedirá a suspensão temporária do serviço e a realização de exames periciais, para que seja cassado o contrato firmado com as empresas que operam o serviço em 2012.

Leia também: