Vereador de Simões Filho indica Base Comunitária para a cidade

Cinco dias após o vereador Luciano Almeida fazer uma indicação ao prefeito Eduardo Alencar para que a cidade de Simões Filho tenha uma Unidade Pacificadora, tal qual existem no Calabar e no Nordeste de Amaralinas, em Salvador, a violência de Simões Filho voltou ao noticiário nacional.

Comprovado pelo Mapa da Violência, o alto índice de homicídio de Simões Filho foi reportado na edição de ontem da TV Folha, da Folha de S. Paulo. Repórteres da empresa com sede em São Paulo, foram até a cidade mais violenta do País cujo índice de homicídios é sete vezes maior que o registrado no Iraque, entrevistaram parentes de vítimas, encontraram corpos, entrevistaram jovens que se queixam da falta de lazer na cidade e questionou a política de segurança do município.

Simões Filho registra 146,7 homicídios para cada 100 mil habitantes – acima de 10 homícidios para este mesmo contingente é considerado epidêmico – e cidade tem 112 mil moradores, segundo o ultimo senso do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados foram divulgados em novembro de 2011, e na época o prefeito da cidade, Eduardo Alencar, alegou que este número se deve ao fato que o Centro Industrial de Aratu (CIA) é local de desova de crimes ocorridos em outras cidades.

É neste contexto que se insere a Indicação 403/2012 do vereador Luciano, para que seja implantada uma base comunitária de segurança em Simões filho a fim de reduzir o índice de violência no município.Deste modo, a prefeitura traria à cidade uma política de segurança que é adotada pelo o programa Pacto Pela Vida do governo do Estado. Uma cópia do documento foi enviada ao governador Jaques Wagner, vice- governador Otto Alencar, secretaria estadual de segurança publica ,comando geral da policia militar. Até então, nenhuma resposta à indicação.

Redação RMS Notícias