Caso Eva Luana: padrasto foi transferido para presídio

Estudante de Direito relatou nas redes sociais, que sofreu uma série de abusos praticados pelo padrasto por mais de oito anos.

O padrasto da estudante de Direito, Eva Luana, suspeito de ter cometido uma série de abusos contra a jovem durante um período de quase nove anos, já foi transferido para o presídio.

Conforme informações obtidas pelo Bahia No Ar, Thiago de Alves, 38 anos, foi levado para o Centro de Observação Penal (COP), localizado no Complexo Penitenciário da Mata Escura, em Salvador. Ele foi preso no último dia 13, por policiais da Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher (DEAM) e estava custodiado no cárcere da 18ª DT/Camaçari.

Segundo informações da titular da DEAM, delegada Florisbela Rodrigues, no depoimento Thiago apenas negou que tenha cometido os abusos.

Entenda o caso

Na tarde desta terça-feira, 20, a estudante de Direito, Eva Luana, moradora da cidade de Camaçari, revelou através de suas redes sociais que sofreu por mais de oito anos, uma série de abusos praticados por seu padrasto. Segundo Eva, a mãe dela também foi vítima dos mais diversos tipos de violência.

Em um total de cinco postagens, a jovem relata momentos de crueldade, terror e humilhação pelos quais foi submetida ao longo dos anos, a exemplo de ter que dormir na casa do cachorro, comer o próprio vômito, ser espancada de todas as formas, sair despida na rua durante a madrugada, além de ser torturada psicologicamente.

Após denunciar as agressões, Luana e sua família, está sob proteção da Justiça.

Leia também: Estupros, abortos e espancamentos: jovem de Camaçari relata abuso praticado por padrasto durante oito anos

54 Comentário

  1. Graças a Deus e as denúncias de Eva nas redes sociais, o monstro foi preso.
    Desejo a vc, Eva, muita felicidade e vitórias na sua vida, vc é uma guerreira.

  2. Espero que esse caso seja devidamente investigado. História com um pé na fantasia e exibicionismo, sinceramente. Não entendo como uma pessoa que sofreu 5 abortos, nunca tenha precisado procurar auxilio médico.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*